15/12/2016

O Mistério dos Círculos Ingleses

Olá, galera do terror!

Hoje eu trouxe para vocês um assunto que intriga a humanidade há bastante tempo, os círculos nas plantações, os Crop Circles, ou ainda agroglifos, como também são conhecidos.





Em 21 de julho de 1980, o agricultor John Scul notou um círculo de cereais amassados, que tinha cerca de 20 metros  de diâmetro, no meio de seu campo de trigo, que ficava em Wiltshire, no sudoeste da Inglaterra. Este círculo tinha bordas bem delimitadas e parecia ter sido feito por gigantescos ventiladores. O mesmo fenômeno já tinha acontecido alguns meses antes, sem motivo aparente, centenas de metros adiante. Com a notícia espalhada, a plantação do agricultor inglês lotou de curiosos e jornalistas, que transformaram os círculos no tema predileto dos jornais e das conversas da região.


Acredita-se que mais de 10 mil dessas figuras misteriosas já foram verificadas em todo o mundo, principalmente no sudoeste da Inglaterra (na região próxima onde onde está situado o sítio arqueológico de Stonehenge), chegando a 98% dos círculos já encontrados. Os outros 2% são encontrados na França, Estados Unidos, Canadá e Austrália, também já tendo sido encontrados no Brasil. As formações geralmente são criadas durante a noite, embora existam alguns relatos de que surgiram durante o dia. Várias teorias têm sido propostas, desde fenômenos naturais ou paranormais até extraterrestres, incluindo a ação do homem ou de animais.




Aparentemente, os desenhos parecem formar capítulos de uma misteriosa história, sendo específicos a cada ano. Em 1993, a incidência foi de padrões geométricos. Em 1994, foi a vez do que se chamou de insectogramas, com figuras na forma de escorpiões, aranhas, teias de aranhas e outros insetos. Em 1995, os padrões pareciam sistemas solares, cinturões de asteroides e outras figuras planetárias.

Pouco se sabe sobre os tais círculos. Não dá para se ter um número preciso porque algumas marcas são mais escondidas e menos visíveis. Sem contar o fato de que alguns fazendeiros preferem ocultar as marcas para evitar de serem importunados pela imprensa e até mesmo por visitantes curiosos e cheios de teorias. Os círculos ingleses são, na verdade, um conjunto de formas geométricas com diversos tamanhos, dispostas de maneira bem organizada. Em fotografias aéreas podem-se notar circunferências de diâmetros variantes entre 10 e 40 metros, onde os cereais amassados se inclinam no sentido horário (dos ponteiros do relógio). Existem outros tipos de desenhos menores, compostos de pequenos círculos em torno de um círculo maior, lembrando satélites rodeando um planeta. Em alguns casos extremos, círculos que contam com mais de 200 figuras geométricas perfeitamente dispostas, de extensão que vai além de 300 metros de comprimento. As formações são sempre originais, ou seja, nunca encontramos uma exatamente igual a outra, e todas sempre muito bem demarcadas. A maioria aparece em trigais, mas já houve casos aparecidos em plantações de aveia, milho e cevada.




Do lado de fora das marcas, as plantas sequer são tocadas, não apresentando qualquer alteração. Do lado de dentro, os caules não estão cortados, eles são dobrados, e continuam a crescer de forma inclinada. Cientistas acreditam que esse entortamento pode ser causado por uma curta e intensa onda de calor. Testes de laboratório sugerem que infrasom (som abaixo dos 20hz) também sejam capazes de fazer isso. Por causa da aparência tão simétrica, chegou-se a suspeitar que os círculos tivessem sido feitos por mãos humanas. E isso em realmente aconteceu, em alguns casos. Alguns ingleses chegaram a dar entrevistas jurando serem os autores de todos os círculos. Porém, é fácil distinguir as fraudes das marcas originais que, segundo os estudiosos, são impossíveis de serem imitadas por meios mecânicos. Além disso, seria difícil para os falsificadores não deixar rastros de destroços na plantação ou traçar círculos de vários metros de diâmetro, no meio da noite, sem serem descobertos. As marcas também não aparentam aparecer devido a pragas de fungos ou por efeito de fertilizantes em excesso.




O consenso científico sobre os círculos nas plantações é que eles são construídos por seres humanos com o objetivo de ludibriar as pessoas, fazendo-a crer que são obras inexplicáveis. O método mais conhecido para construir uma formação desse tipo em plantações é amarrar uma extremidade de uma corda a um ponto fixo e a outra extremidade em uma placa, que é usada para esmagar as plantas e criar o desenho. Os céticos afirmam que as características dos círculos são totalmente compatíveis com a capacidade humana. Físicos têm sugerido que as formações mais complexas podem ser feita com a ajuda de GPS e lasers. Os defensores da origem não-humana dos círculos dizem que as provas de envolvimento humano são tentativas de desacreditar os fenômenos. Alguns chegam a dizer que há uma teoria da conspiração, com os governos plantando boatos para confundir as pessoas, dando falsas origens aos círculos. Ufólogos afirmam que os círculos podem ser provas irrefutáveis da ação alienígena sobre espaços terrestres, pois nenhuma inteligência humana conseguiria fazer tais desenhos, de tais formas, nas plantações.

"Eu vi meu primeiro círculo em 1976. Eu tinha feito uma vigília noturna tentando observar OVNIs na colina Clay, em Warminster. Três círculos de luzes coloridas separadas por aproximadamente 2 metros de diâmetro ficaram circulando sobre nós durante umas três horas no topo da colina, fundindo-se às vezes em um único globo e separando novamente bem sobre nós. De repente, um dos círculos desceu a uns 9 metros e voou em um campo abaixo. Quando amanheceu notei um círculo aplainado no campo de trigo. Em minha inspeção observei que não havia nenhum talo quebrado no círculo há pouco perfeitamente aplainado de uns 9 metros de diâmetro."
(David Kingston, pesquisador)




E vocês, assustados, quais suas teorias sobre esses misteriosos círculos? Obra humana, da natureza ou de alienígenas?
Deixem suas opiniões aí nos comentários. Esse assunto é muito extenso e retomaremos ele no blog, em breve.