03/01/2017

Apocalipse Zumbi



Acordei assustado quando ouvi um grande estrondo no meio da rua. Eu odiava barulhos antes das 8:30 da manhã. Irritado, puxei meu roupão e saí pela porta da frente para ver o que a estava acontecendo. Parei para corrigir uma flor que estava se inclinando para o lado errado. Olhei ao meu redor, parecia uma zona de desastre. Uma casa na rua estava em chamas e as pessoas estavam correndo para fora dela, gritando. Uma barricada improvisada com latas de lixo capotadas e sacos de areia. Em pânico, voltei para minha casa, fechei todas as portas e todas as janelas. Parecia que agora estaria tudo ok.

Fui até à cozinha, peguei uma jarra de suco de laranja, despejei em um copo e me sentei no sofá. Liguei a televisão, e o zumbido do gerador de emergência fez eu pular do sofá, assustado. Passaram-se três dias, e eu preso dentro da minha própria casa. No quarto dia, o sistema de transmissão de emergência do estado foi ao ar novamente. Eu suspirei um pouco aliviado, e fui preparar um lanche. Eu estava cansado da transmissão. Eu esperava que eles entrassem de volta com as notícias do dia.

A transmissão veio ao ar:

"O governador emitiu um estado de emergência. Esta transmissão foi adaptada para a sua área.” Uma breve pausa."Os moradores de San Diego e Conselhos Imperiais são convidados a irem para os centros da Cruz Vermelha em San Diego e El Centro. Se você é incapaz de sair de sua casa, tranque as portas e janelas e faça uma barricada. Pegue todas as armas que puder. Armas de fogo são mais eficazes, especialmente quando visam a cabeça. Lembre-se de manter-se hidratado, se infectado, pois mantém o sistema imunológico funcionando adequadamente. O CDC tem sido até agora mal sucedido em encontrar uma cura, mas a pesquisa continua. Se uma pessoa infectada já passou e voltou em sua casa, não hesite em sacrificá-la. Repetimos, não hesite em sacrificá-la!. Lembre-se, a Cruz Vermelha tem centros em San Diego e El Centro. Os militares tem acampamentos em todo o estado. Por favor, fique a salvo."

Eu ouvi as palavras de encerramento e desliguei a TV para economizar energia. Outro estrondo pôde ser ouvido do lado de fora. Me escondi mas depois de um tempo ficou tudo calmo. Com a almofada em minha mão, fui até à porta da frente. Outro estrondo. Olhando através do olho mágico, vi uma figura repugnante batendo a cabeça na minha porta. Ele parecia um zumbi, sujo, com a pele apodrecida e olhos amarelos. Havia uma ferida aberta em seu pescoço, a roupa manchada de sangue acentuou a sua repulsa. Horrorizado, eu voltei. Eu só tinha visto os zumbis na televisão, nunca na vida real. Eu não tinha certeza do que fazer.

De repente, um tiro veio do outro lado da rua, rasgando o crânio do zumbi. Caiu imediatamente, seu cérebro e sangue por toda a minha varanda. Eu quase desmaiei! Ouvi um grito alto e, em seguida, o som ondulante de um motor de motocicleta. Eu percebi que eu não estava seguro em minha casa. Fiquei pensando em ir até uma base militar buscar ajuda mas não tinha coragem de sair de casa. Me arrependi dessa decisão por várias vezes, mas não conseguia ir.

Eu podia ouvir os zumbis lá fora. Poucas vezes eu ouvi gritos. Um soou como a Sra. Avery, a partir de duas casas para baixo. Outro, como o Sr. Rey, três casas acima. Eu jurei para mim mesmo tentar escapar, enquanto eu ainda podia, até o dia seguinte. Mesmo com zumbis batendo contra a minha porta, eu caí em um sono profundo, talvez por excesso de stress e cansaço.

Na manhã seguinte, depois de reunir tudo o que caberia no meu carro, eu finalmente saí. O ar-condicionado do carro trazia um fedor pútrido de decadência e vômito. Olhei em volta, tentando ver se havia alguém por perto. Apenas os zumbis. Eles correram para o meu carro, batendo com os punhos sangrentos contra a minha linda Lexus. Eu dei um pequeno grito, e pisei fundo no acelerador para fugir.

Minutos mais tarde, eu estava dirigindo pela estrada. Carros virados, com algumas entidades que lutavam presas nos destroços. Tive a impressão de que eles eram mortos-vivos. Passei na porta de um hospital com uma grande faixa escrita "Nenhuma ajuda aqui, tente Mercy", em tinta preta. Estremeci com o pensamento de pacientes hospitalizados, presos em suas camas, com os zumbis mancando pelo corredor. Fiquei espantado de pensar em como tudo tinha ido à ruína tão rapidamente. Reprimido dentro da minha casa, eu não tinha ideia do que o resto da humanidade estava enfrentando.

De repente um zumbi veio correndo na frente do meu carro. Percebendo isso, eu instintivamente desviei-me para evitá-lo, o que provou ser um erro. Bati numa coluna em cerca de 65 Km/h, virando algumas vezes antes de parar de cabeça para baixo. Meu braço estava quebrado, e eu tinha vários cortes de cacos de vidro. O pior de tudo foi o fato de que eu não conseguia mover minhas pernas. Eu não sabia bem o que estava acontecendo. Havia sangue por todo o lugar, jorrando como uma fonte. Eu comecei a hiperventilar, e logo eu estava histérico.

"Socorro!" Eu gritei. "Oh, Deus, alguém me ajude! Por favor!"

Má ideia.

Os zumbis, ouvindo meus gritos, começaram a migrar para o meu carro. Onde eu não conseguia me mover, onde eu estava indefeso.

Eu gritei mais. Eu tentei me livrar, mas simplesmente não podia. Com os primeiros zumbis a chegar pela janela, eu aceitei o meu triste destino.