04/05/2017

Catsaridafobia: Medo de baratas


Olá, sobrinhos! Hoje vamos falar sobre fobia de baratas. Quem aí tem?






Tia Val vai postar com o login do blog, em vez do meu login pessoal, porque eu troquei de computador, e sumimos por tanto tempo, que acho que esqueci a minha senha. Mas estamos de volta, agora já sem TCC para fazer com que a gente fique invisível para o mundo (rs).

Pois bem, o assunto de hoje, como eu já disse, é fobia de baratas. Vamos falar de fobia, e não aquele nervosinho ou aquele medinho... Fobia mesmo, assim como eu tenho de aranhas (aqui) e palhaços (aqui).


Minha mãe, por exemplo, sofre de catsaridafobia (não sei porque botam esses nomes estranhos - deve ter a ver com a etimologia da palavra), e acho que meu irmão também. Ela seria capaz de se atirar do quarto andar do prédio onde ela mora, se precisasse confrontar uma dessas bichinhas indesejáveis.

Vocês sabiam que a barata pode resistir 2000 vezes mais à radiação do que seres humanos? E que elas podem passar dias sem comer, e também sem a cabeça? Pois é! Elas não são borracha fraca, não!




De acordo com o site Psicoativo, "muitas pessoas se sentem desconfortáveis ou com medo na presença de insetos e bichos como baratas. Baratas são conhecidas por habitar lugares escuros e quentes que tem abundância de alimentos. Muitas vezes, durante a noite ou na ausência de luzes, elas acidentalmente engatinham sobre a nossa pele. Isso pode evocar medo profundo ou resposta de repulsa. Tal resposta é geralmente evolutiva; nossos ancestrais pré-históricos foram programados para ficar alertas para estas situações quando dormiam em cavernas e em campo aberto."

O medo de baratas pode ter sua origem em experiências traumáticas no passado do indivíduo. Por exemplo, crianças que foram punidas ou trancadas em locais com a presença desses insetos. Adultos que sofrem dessa fobia, podem transmitir esse medo para as crianças que convivem com eles, sem perceber. Muitos casos de catsaridafobia na infância tendem a se resolver com o passar dos anos. Por outro lado, algumas pessoas sofrem dessa fobia durante toda a sua vida.




Sintomas:

O indivíduo que sofre de catsaridafobia pode, também, desenvolver o Transtorno Obsessivo Compulsivo. A pessoa passa a limpar a casa e aplicar inseticidas em demasia, o que pode se transformar em TOC.
Os sintomas físicos da fobia de baratas, incluem:

° Tornar-se “paralisado” ou ficar congelado
° Chorar e gritar
° Sentir-se tonto ou fraco nos joelhos
° Desmaios
° Ritmo cardíaco elevado
° Respirar rapidamente
° Ter um ataque de pânico onde se sente sufocado
° Dores no peito

Tratamentos:

Terapia de exposição: é uma desensibilização gradual. É um dos métodos mais usados para o tratamento de zoofobias. Inclui olhar imagens de baratas, tocar uma barata morta e progredir gradualmente para estar no mesmo ambiente que as baratas, sem experimentar um ataque de pânico.

Hipnoterapia: terapia através de hipnose. Pode ajudar a se aprofundar na origem do medo e mudar pensamentos sobre baratas.

Terapia cognitivo comportamental e psicoterapia: ajudam a racionalizar e perder o medo de baratas.

Se você, ou alguém que você conheça, apresentam características de catsaridafobia, e não apenas o nojo do qual falamos no começo do texto, é aconselhável buscar ajuda profissional.


Fonte: Psicotativo